Messac publica artigo e responde a Daniel Vilela. Sem erros de português

O deputado estadual Daniel Messac (PSDB) publica artigo na pagina de opinião de O Popular, edição desta quinta-feira, respondendo aos ataques que o também deputado Daniel Vilela (PMDB) fez ao governador Marconi Perillo no mesmo espaço, nesta semana.

Messac faz referência aos desmandos do pai de Daniel, Maguito Vilela (PMDB), quando foi governador de Goiás, que culminaram na venda da Usina de Cachoeira Dourada e na pulverização dos recursos obtidos.

Lembra ainda o espetacular aumento do endividamento do Estado nas seguidas administrações do PMDB. Em seguida, Messac faz resumo das realizações dos governos Marconi Perillo e conclui que as administrações tucanas foram muito superiores às peemedebistas.

Detalhe importante: em seu artigo, o deputado Messac, que é pastor evangélico, não comete nenhum erro de português. Daniel Vilela, no seu artigo, trucidou a Língua Pátria.

Leia abaixo o artigo de Messac:

Os exemplos que Goiás dá

A concentração do debate em torno das eleições de 2014, com foco em nomes de candidatos em detrimento das propostas administrativas, conforme as críticas feitas neste espaço na terça-feira pelo deputado estadual Daniel Vilela (PMDB), tem como único responsável o próprio partido do parlamentar. É justamente o PMDB que vem protagonizando, há meses, uma guerra fratricida sobre a escolha do nome do partido à sucessão estadual.

O duelo de candidatos é resultado da completa ausência de propostas do PMDB para as demandas da população de Goiás. Mais grave ainda é consequência da flagrante incapacidade do partido em explicar a herança de sucateamento da máquina pública deixada pelo partido e o silêncio sobre os anos de descaso com o funcionalismo público.

Também não consegue explicar o endividamento irresponsável do Estado e a conhecida ineficiência de suas administrações na oferta de serviços públicos. Não tem, ainda, argumentos que convençam de que não foi a venda da usina de Cachoeira Dourada a razão principal – para não dizer a única – da infindável crise financeira da Celg, obrigada a comprar energia acima dos preços de mercado.

Enquanto isso, o governo Marconi Perillo segue trabalhando para melhorar a saúde, a segurança pública e a educação, para valorizar o funcionalismo, modernizar a máquina pública, difundir o saber e melhorar a renda por meio da qualificação profissional e dos programas sociais. Estas, sim, são medidas, tomadas pelo governador e sua equipe, que vêm transformando a vida dos goianos.

Não custa lembrar ao deputado o esplendoroso salto que, pelas ações dos governos de Marconi, Goiás empreendeu nos seus governos. Dentre eles está a elevação do PIB goiano de R$ 17,4 bilhões para mais de R$ 115 bilhões; a ascensão de Goiás do 10º para o 9º lugar na economia nacional; a constante permanência do Estado entre os maiores geradores de emprego do País, o desenvolvimento, atualmente, do maior programa de asfaltamento de rodovias do Brasil, e o crescimento da nossa indústria em 916%, enquanto que a indústria brasileira cresceu somente 473%, de 1999 até hoje.

Para refrescar a memória de quem faz questão de não enxergar avanços nas áreas social, de gestão, infraestrutural e econômica de Goiás, é importante salientar que foi Marconi quem criou o Vapt Vupt, o Banco do Povo, o Restaurante Cidadão, a Bolsa Universitária, o Cheque Moradia; com Marconi, as exportações goianas cresceram de 384 milhões de dólares para mais de 7 bilhões de dólares; é um governo calcado no planejamento como estratégia de desenvolvimento, atualmente com o Plano de Ação Integrada de Desenvolvimento (PAI).

Na política, quando não se quer ver, o pensamento fica realmente travado.

 Daniel Messac é deputado estadual (PSDB)