Thiago Peixoto diz que nomes lançados para governador, até agora, “são voltados para o passado”. E confirma que o PSD, para 2018, pode desembarcar da base aliada de Marconi

Os políticos do PSD goiano estão cada vez mais provocativos em suas declarações à imprensa e postagens nas redes sociais.

Ao responder a uma tuitada do deputado federal e secretário estadual de Meio-Ambiente, Vilmar Rocha, do PSD, que reafirmou mais uma vez “ser cedo para saber qual a aliança que o partido fará para 2018”, o também deputado federal Thiago Peixoto, colega de legenda de Vilmar, entrou na mesma linha e tratou de fomentar as dúvidas sobre o posicionamento final do PSD.

Segundo Thiago Peixoto, “a discussão sobre 2018, hoje, é limitada a nomes voltados para o passado”. Quais, não disse. Até agora, como se sabe, os nomes lembrados para disputar a próxima eleição para governador são os do senador Ronaldo Caiado, pelo DEM; de Daniel Vilela e seu pai Maguito Vilela, pelo PMDB; e do vice-governador José Eliton, pela base aliada do governador Marconi Perillo.

O deputado do PSD admitiu, seguindo a cartilha que Vilmar Rocha vem repetindo diariamente, a hipótese de desembarque da base aliada do governador Marconi Perillo em 2018: “O PSD construirá,com muito diálogo,um projeto compromissado com o futuro de Goiás”.

É mais um aviso.