Chapa do PMDB usa marca do Mutirão. Se estivesse vivo, Cazuza diria: “Eu vejo o futuro repetir o passado”

Um museu de grandes novidades, como diria o poeta Cazuza: este é o PMDB que se reúne, na manhã deste sábado, para eleição do novo presidente do diretório metropolitano do partido. O candidato favorito usa logomarca do mutirão da prefeitura, prática administrativa que o prefeito Iris Rezende (PMDB) criou em 1983 e que hoje só deveria existir em livros de História.

É em detalhes como este que se compreende porque o PMDB, um partido preso ao passado, perde eleições para o governo há 20 anos.