Superlotado, Hospital Materno Infantil rejeita pacientes para evitar morte de bebês por doença contagiosa

A direção do Hospital Materno Infantil (HMI) decidiu não receber mais pacientes grávidas e recém-nascidos desde a manhã desta quinta-feira. A informação é de todos os 90 leitos estão ocupados e de que o bloqueio é necessário para que não se alastrem doenças contagiosas na unidade, como a bactéria que matou dois bebês em março. Na época o HMI reconheceu que as mortes foram provocadas por superlotação.

A direção do hospital reclama que, apesar de ser concebido para tratar de pacientes com problemas de média e alta complexidade, é obrigado a abrigar pacientes de baixo risco porque os Cais e maternidades comuns, em especiais os da prefeitura, não conseguem dar conta da demanda.