Mais da metade do “quadrilhão” do PMDB está presa. Mabel é um dos que faltam (por enquanto)

Quatro dos sete integrantes do chamado “quadrilhão” do PMDB, denunciado por Rodrigo Janot dias antes do fim do seu mandato como procurador-geral da Justiça (PGR), já estão na cadeia. Entre os que ainda desfrutam de liberdade está o ex-deputado goiano Sandro Mabel. A imprensa nacional afirma que são favas contadas a visita de forças policiais aos aposentos de Mabel nos próximos dias.

Além dele, estariam na iminência de ser presos, de acordo com analistas políticos, os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha. Já foram para detrás das grades o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, o ex-assessor especial do presidente Michel Temer Rodrigo Rocha Loures e os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima.

Na denúncia que levou ao Supremo Tribunal Federal (STF) na última quinta-feira, Janot afirma que a liderança do quadrilhão era exercida por Temer. O primeiro a ser capturado foi Eduardo Cunha, no dia 19 de outubro de 2016, por ordem do juiz federal Sérgio Moro.