Em posse de auxiliares, Iris culpa Paulo Garcia por problemas na Paço depois de nove meses no cargo

Lá se vão nove meses desde que Iris Rezende (PMDB) assumiu, pela quarta vez, mandato de prefeito de Goiânia. Tempo suficiente para gestação de uma criança, mas não para que Iris esquecesse o seu antecessor, Paulo Garcia (PT), e parasse de imputar ao falecido petista a responsabilidade por todas as mazelas que acontecem na Capital.

Na posse dos novos secretários de Finanças, Alessandro Melo, e de Assistência Social, Robson Azevedo Paixão, Iris reclamou da herança e afirmou que todo o seu tempo, nos últimos meses, foi dedicado a “corrigir distorções” deixadas por Paulo. “Assumi o cargo há mais de nove meses com dívidas. Tivemos trabalho durante todo esse tempo para ajustar a máquina”, reclamou.

A propósito, a troca de secretários de Finanças aconteceu porque o antigo titular, Oséias Pacheco, recusou-se a repetir o discurso fantasioso criado por Iris sobre as contas para justificar a paralisia da gestão. Oséias não teria concordado, por exemplo, com a decisão do prefeito de não conceder data-base para os servidores.