Chamado de prostituta, deputado Nelto rebate: “agressão baixa e mesquinha”

O deputado estadual José Nelto, líder do PMDB na Assembleia, chamou de “agressão baixa e mesquinha” o ataque do vereador Clécio Alves (PMDB) aos parlamentares goianos de oposição, a quem chamou de “prostitutas” que se vendem para o governo.

“Deve estar com algum problema de saúde, mental, porque foi uma agressão tão baixa e mesquinha, agressão a este Parlamento. Nós ontem [terça-feira, 3] recebemos servidores da Comurg e nos solidarizamos com a causa deles. Lamentamos que Clécio tenha baixado tanto o nível”, afirmou José Nelto no fim da tarde desta quarta-feira.

“Foi deselegante, mas acho que foi mais pelo jeito do Clécio, que é estourado”, disse Waguinho (PMDB), que tentou contemporizar. Adriana Accorsi (PT) solicitou vídeo para tomar medidas jurídicas e Luis Cesar Bueno (PT) não quis comentar.

A controvérsia começou na manhã desta quarta-feira. Clécio irritou-se ao comentar as declarações de deputados do PMDB e do PT à provável privatização da Comurg, órgão da prefeitura de Goiânia. Na visão do vereador, quem deve tratar do assunto é a Câmara, e não a Assembleia.

“Deputado tem que cuidar é da Assembleia. Esses deputados de oposição, que não é oposição coisa nenhuma, tudo prostituta, fazendo papel de quê? Que oposição é essa? Respeita! Por isso que eu não fui pra lá, porque eu ia ser massacrado lá, já tá tudo dominado, vem com conversa fiada falando que vai resolver problema da Comurg indo em TCM [Tribunal de Contas dos Municípios], deputado?”, disse.