Após atentado em Goiânia, o que têm a dizer políticos irresponsáveis que defendem porte liberado de armas?

O atentado a tiros promovido por uma criança do oitavo ano, vítima de bullying, em um colégio particular de Goiânia deveria calar a boca de políticos irresponsáveis que defendem a liberação do porte de armas no Brasil. O suspeito matou dois colegas e feriu mais sete com a arma do pai, na manhã desta sexta-feira.

O pai, a propósito, é um major da Polícia Militar (de acordo com informações preliminares). Uma pessoa que foi treinada para usar com segurança a sua pistola e foi que foi incansavelmente instruída a ter precauções para impedir que os filhos tivessem acesso à arma. Mesmo assim, a tragédia aconteceu.

imagine só, leitor, o risco de sucessivas tragédias a que estaríamos expostos caso avancem as propostas populistas destes políticos – como o senador Ronaldo Caiado (DEM), o deputado estadual Major Araújo (PRP), o senador Wilder Morais (PP) e o deputado federal Delegado Waldir (PR) – que defendem o municiamento geral da população a partir da falsa premissa de que o armamento individual reduzirá a violência no País?

Este blog espera, com ansiedade, a manifestação de Caiado, Waldir, Wilder e Major Araújo (que chegou ao cúmulo de propor a criação da Bolsa Arma Estadual na Assembleia Legislativa) sobre o que aconteceu. Viria a calhar um pedido de desculpas por terem defendido, durante tanto tempo, o afrouxamento das regras para porte de armas no País.

[vejatambem artigos=” 65463,55337,65890,3659 “]