Não era para Marconi: Jayme diz que dinheiro recebido em apartamento era para “candidatos aliados”

O empresário e ex-presidente da Agetop Jayme Rincón, afirmou em depoimento para a Polícia Federal que o dinheiro repassado pela Odebrecht e recebido em seu apartamento em São Paulo era para “candidatos aliados”. A informação é de matéria publicada no site do jornal O Popular, nesta quinta-feira. A reportagem do Popular teve acesso ao depoimento.

Rincón afirmou que o recurso destinado à campanha de Marconi Perillo foi “legalizado”. Em 2010 e 2014, as campanhas de Marconi receberam doações da Odebrecht, mas tudo dentro da lei, quando ainda era permitido. Ronaldo Caiado, por exemplo, em 2014, também recebeu doação da Odebrecht e ainda da OAS.

O depoimento de Jayme confirma o que vem afirmando o advogado do ex-governador. Em nota emitida na sexta-feira (28/9), dia em que a operação foi realizada, Carlos Antônio de Almeida Castro, o Kakay, afirmou que os procedimentos eram precipitados e desnecessários, já que a apuração já estava em curso e o PSDB já havia demonstrado que as doações foram declaradas segundo a legislação vigente e aprovadas pela Justiça Eleitoral.