Frase do mês: “Lula é um canalha”, segundo o blogueiro Ricardo Setti, da Veja

Ricardo Setti, veterano jornalista e blogueiro do portal da revista Veja, um dos mais acessados do país, considerou a frase do governador Marconi Perillo, em discurso na convenção nacional do PMDB, chamando o ex-presidente Lula de “canalha”, como a frase mais importante do mês – no Brasil.

Setti testemunha que Marconi deu declarações públicas, em 2005, revelando que havia avisado o ex-presidente Lula, durante uma visita a Goiás, que funcionava no Congresso Nacional um esquema de compra de deputados, mais tarde apelidado de mensalão.

 

Leia o comentário de Ricardo Setti:
Frase do mês — do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), sobre Lula: “Nunca foi tão difícil ser oposição ao maior canalha deste país. Eu sei o que é enfrentar esse poderio”

Ricardo Setti

 

Não consigo identificar nenhuma outra frase de político no mês que seja tão direta e contundente — e, no final das contas, tão reveladora e importante — como a do governador de Goiás, Marconi Perillo, durante fala na convenção do PSDB que escolheu o senador Aécio Neves (PSDB) como presidente do partido, no sábado, em Brasília, referindo-se claramente à advertência que fez a Lula, então presidento da República, sobre a existência de um esquema de compra de votos para apoiar o lulalato na Câmara dos Deputados:

– Nunca foi tão difícil ser oposição ao maior canalha deste país. Eu sei o que é enfrentar esse poderio. Um dia eu alertei esse canalha que no governo dele havia mesada para comprar deputados e, desde então, fui escolhido ao lado de José Agripino, Arthur Virgílio e Tasso Jereissati [à época, respectivamente, senadores oposicionistas do DEM-RN, PSDB-AM e PSDB-CE] como os seus adversários maiores.“

A advertência de Perillo a Lula se deu no começo de 2005 (o escândalou estourou em agosto do mesmo ano), e o então presidento não deu qualquer sinal de que fosse tomar providências.

Advertiu-o, também, do esquema que resultaria no escândalo do mensalão e na condenação de figurões do PT à cadeia pelo Supremo Tribunal Federal o à época deputado Roberto Jefferson (RJ), presidente do PTB.