De José Eliton para Iris: “Goiás já deu um basta no coronelismo do PMDB”

Em entrevista ao Diário da Manhã, publicada agora à noite no site do jornal, o vice-governador José Eliton dá uma resposta dura aos ataques do ex-prefeito Iris Rezende, durante encontro do PMDB, em Catalão, no sábado passado.

Ele diz que Iris se comporta com extrema arrogância e desprezo a todos, se comparando a Deus e a um salvador, numa postura messiânica própria dos coronéis.

Ele diz que o PSDB pegou o Estado sucateado em 1998 e vem promovendo mudanças para melhor de lá para cá.

E manda um recado a Iris: “Goiás já deu um basta no coronelismo do PMDB”.

Veja a matéria na íntegra:

José Eliton: “Goiás já deu um basta no coronelismo do PMDB”
Diário da Manhã
Helton Lenine

Da Editoria de Política

O vice-governador José Eliton (PP) reagiu às críticas do ex-prefeito Iris Rezende ao governo Marconi, feitas, sábado, durante encontro regional do PMDB, em Catalão. José Eliton diz que Iris Rezende, mais uma vez, se comporta com “profunda arrogância e desprezo” pelos integrantes do próprio partido” e se compara a “Deus e a um salvador”, numa postura messiânica, “típica de coronéis” e finge desconhecer a “forma retrógrada e ultrapassada com que governou Goiás,”

O vice-governador ressaltou que esse “comportamento de Iris Rezende não contempla mais as aspirações da sociedade, que quer um modelo de governante moderno, aberto ao diálogo e sintonizado com práticas democráticas.” Como contraponto, ele citou as realizações do governo Marconi Perillo em diversas áreas.

“É surpreendende a profunda arrogância do ex-prefeito, que se apresenta agora, de maneira oportunista e politiqueira, como o único salvador da pátria, como se tivesse sido enviado por Deus”, disse José Eliton.

Segundo o vice-governador, esse comportamento de Iris Rezende demonstra o “completo desprezo dele pelos membros de seu próprio partido, confirmando que não reconhece em nenhum deles a capacidade de exercer política em benefício de Goiás e do Brasil.”

José Eliton sustentou que esse comportamento do ex-prefeito é “típico dos coronéis e ditadores que se acham insubstituíveis e enviados por Deus.” E ponderou: “Esse tempo de salvador da pátria já passou”, disse ele. O que a sociedade quer, segundo o vice-governador, é um governante aberto ao diálogo e sintonizado com a interação moderna das redes sociais. “Achar que faz tudo sozinho, que é o único capaz e salvador da pátria é um modelo ultrapassado de governar”, completou.

Vice-governador disse que é de causar perplexidade a afirmação “cínica e absurda” de Iris Rezende, de que o PMDB preparou o Estado para as transformações de infraestrutura”. E acrescentou: “É pública e notória a situação de sucateamento na qual o Estado se encontrava em 1999, quando o governador Marconi assumiu pela primeira vez. Obras paradas, salários em atraso, contas públicas e completamente desarrumadas, sem falar no desaparecimento de recursos como os da venda de Cachoeira Dourada, que, aliás, quase decretou a falência da Celg.”

O vice-governador questionou ainda a “qualidade das poucas obras públicas” realizadas por Iris e pelo PMDB. “Ao longo de seus mandatos, o que o velho fez foi construir escolas e casas de placas, (enquanto o governo Marconi reforma simultaneamente 1 mil escolas, repassando o dinheiro para os próprios diretores definirem com a comunidade o que fazer), pavimentou algumas estradas que, além de não terem sequer acostamento, não duravam nem dois anos.” O que foi feito, acrescenta ele, “não teve qualidade.” Na área social, José Eliton afirmou que os goianos eram submetidos a “constante humilhações, situações desumanas para receber produtos alimentícios em filas degradantes.”

O vice-governador também classificou de “vergonhosa e vexatória” a forma como o Iris e o PMDB sempre trataram o funcionalismo público. “O servidor público era diariamente tratado com desprezo, deixado fora de qualquer quaisquer prioridades, com salários achatados e congelados, em época de inflação galopante, alvos de constantes atrasos para que os governos do PMDB pudessem pagar as lambanças feitas na área administrativa e na gestão fiscal.” José Eliton citou ainda o “total descaso com os servidores, professores e policiais na segurança pública, que figuravam como os mais mal pagos e com a pior infraestrutura de trabalho do País.”

O vice-governador José Eliton ressaltou o trabalho do governador Marconi Perillo e de sua equipe para, além de “consertar todos os estragos do PMDB e de Iris, colocar Goiás na rota da modernidade, da democracia e do diálogo, recuperando a autoestima dos goianos.” Segundo ele, o governador Marconi “provou e continua provando que é possível inovar sempre, renovar a administração e melhorar a vida das pessoas continuamente.” E completou: “O governo Marconi recuperou a dignidade e a confiança da população de Goiás.”