Grampos revelados em 2013 mostraram Lu Hoepers avisando que almoçaria com Daniel Vilela: amizade antiga

Matéria do jornal O Globo do dia 22 de setembro de 2013, sobre a Operação da Miqueias, em que a Polícia Federal desmantelou uma quadrilha que desviava recursos de fundos de pensão municipais, aprofundou o envolvimento do deputado estadual Daniel Vilela (PMDB) no episódio.

Daniel foi fotografado em um almoço com a “pastinha” Luciane Hoepers, uma mulher muito bonita encarregada pela quadrilha de atrair políticos que pudessem viabilizar bons negócios para o grupo.

“Viabilizar bons negócios para o grupo” significa, segundo a Polícia Federal, cooptar prefeitos que possam desviar recursos dos fundos de pensão municipais e entregar à quadrilha, dividindo os lucros.

No almoço, estavam também o deputado estadual Samuel Belchior, que à época era presidente estadual do PMDB, e o então deputado federal Leandro Vilela, tio de Daniel.

Nos grampos telefônicos, segundo O Globo, Luciane Hoepers comunica aos seus chefes uma boa notícia: a de que tem um almoço agendado com “o filho do prefeito de Aparecida de Goiânia”.

É Daniel Vilela.

Na mesma conversa telefônica, gravada pela PF, a moça informa que “outros deputados goianos participarão do almoço”. E complementa: “Um deles é um deputado fortíssimo que vai sair na próxima eleição como candidato a governador do Estado”.

A referência é certeira e diz respeito a Samuel Belchior, que alimenta a esperança de aparecer como tertius na disputa entre Iris Rezende e Júnior Friboi, credenciando-se a disputar o Governo.

Luciane é a capa da revista Sexy de agosto. E ela levou um exemplar da revista ao gabinete de Daniel, em nome da velha “amizade”. O SBT mostrou cenas da visita.

Veja a matéria de O Globo:

Quadrilha usava mulheres bonitas para cooptar prefeitos

BRASÍLIA – Luciane Lauzimar Hoepers tem 1,75 metro de altura, olhos verdes e 33 anos de idade. Vista em revistas masculinas, sites de ensaios sensuais e programas de TV, ela também era uma das armas da quadrilha acusada de desviar R$ 50 milhões de fundos de pensão de servidores de prefeituras e governos estaduais. Segundo a Polícia Federal (PF), o grupo usava mulheres bonitas para se aproximar de prefeitos e dos gestores dos fundos e captar recursos para a empresa Invista, operada pela quadrilha.

– Alô, prefeito Júnior. Tudo bem? Aqui quem fala é a Luciane da Invista. Tá lembrado?

– Tô lembrado, difícil esquecer – disse o prefeito identificado apenas como Júnior, no relatório com gravações telefônicas feitas pela PF.

Luciane foi presa na quinta-feira, na Operação Miqueias da PF para desbaratar a quadrilha que fraudava os fundos de pensão. As investigações levaram à prisão de ao menos 20 pessoas na semana passada, além do cumprimento de dezenas de mandados de busca e apreensão. Ao longo de 18 meses de investigação, grupo movimentou R$ 300 milhões.

Luciane mesma reconhece que a beleza abre portas. Em entrevista publicada no site Fluir, do portal Terra, antes de a Operação Miqueias da PF ser deflagrada, Luciane, ou Lu, listou os vários trabalhos como modelo de que já participou: “assistente de palco do programa ‘Brothers’, na Rede TV, Mulher Bombeiro, ‘Casa Bonita’, no Multishow, participações no ‘Zorra Total’ e ‘Faustão’, da Globo, e ensaios para revistas masculinas e outras”. Nessa entrevista ela reconhece que ser bonita ajuda, “porque abre portas”. E revela também que seu sonho de consumo é ter um apartamento em Miami.

A PF identifica Luciane como ligada ao doleiro Fayed Antoine Traboulsi, um dos líderes da associação criminosa revelada pela Operação Miqueias. Os telefonemas interceptados pela PF mostram que Luciane tinha um papel muito ativo na organização, mantendo vários contatos com políticos. Na lista de municípios onde ela procurou prefeitos e ex-prefeitos estão cidades de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Santa Catarina e São Paulo.

Em 14 de março, ela falou com um prefeito que é identificado pela PF apenas como Marcelo. No mesmo dia, entrou em contato com o prefeito de Ponta Porã (MS), Ludimar Godoy Novaes, falando novamente com ele em 23 de abril. Em 14 de março, ela conversou com o presidente do regime próprio de previdência de Porto Murtinho (MS), Douglas Arlindo Placenico Lopes.

Luciane não se limitava a trocar telefonemas. Ela também viajava para fechar os negócios. Em 30 de abril de 2013, em telefonema com Alline Teixeira Olivier, outra integrante da associação criminosa, ela relata que esteve em Tocantins e que ia para o Mato Grosso do Sul.

– Eu estou indo para Mato Grosso do Sul buscar cliente novo, ficar uma semana lá. Tem duas cidades já com cadastro, tudo pronto, deve ser aportado alguma coisa. Ontem eu estava em Tocantins, em umas cidades lá. Há uma propensão de fechar umas três cidades lá em grande – disse Luciane.

– Que bom, viu amiga, que bom – respondeu Alline.

Quase dois meses depois, em telefonema com outra pessoa, a PF anota: “Vale salientar que, já no dia 20/06/2013, Luciane confirma o investimento feito com o Previporã, instituto de previdência social dos servidores de Ponta Porã/MS”.

– Deixa eu te falar. Ontem eu tive uma reunião com um prefeito lá de Ponta Porã, do Mato Grosso do Sul, ele vai fazer uns investimentos com a gente, já fez cadastro e tudo lá do instituto. Mas ele me falou de uma Refic (programa de refinanciamento fiscal) que ele já tem liberado lá, três, pra fazer. E vai ser mais, pelo menos, uns cinco. E ele perguntou se nos fundos que a gente dá na parte dos institutos serve também para aplicar esse dinheiro da Prefeitura, entendeu? Aí eu não soube, na verdade, disse que eu ia me informar, se a gente tinha um fundo melhor – relatou Luciane.

Em 26 do março de 2013, ela revela em outro telefonema que vai almoçar com o filho do prefeito de Aparecida de Goiânia (GO), além de alguns deputados goianos. Segundo ela, um deles é um deputado fortíssimo que vai sair na próxima eleição como candidato a governador do estado.

A PF aponta como endereço de Luciane em Brasília um hotel de luxo, localizado na beira do lago Paranoá. No local, costumam ficar hospedadas autoridades e celebridades em visita à cidade. No Facebook de Luciane, há várias fotos em que aparece de biquíni no hotel ou andando de lancha no lago.

Em 2012, Luciane foi escolhida musa do time de futebol catarinense Avaí. Em março deste ano, em entrevista à revista Mensch, ela é descrita como alguém que “trabalha no mercado financeiro com fundos de investimentos. Cheia de atitude e segura de si, Luciane encara empresários, banqueiros e políticos com a mesma segurança de quem encara uma sessão de fotos, e com seu belo sorriso conquista novos negócios e muitos fãs”.

Luciane não é a única mulher usada pela quadrilha para seduzir prefeitos e gestores de fundos de previdência. Uma delas é Cynthia Cabral Soares da Cruz. Em seu perfil no Facebook, ela postou a foto de um anúncio de academia publicado em um jornal de Brasília. Ela é a garota-propaganda e tenta mostrar que todos podem entrar em forma: “Cynthia, 31 anos, mãe de adolescente. Ela também não tinha tempo”.

Da mesma forma que Luciane, Cynthia teve a prisão temporária decretada pelo desembargador federal Cândido Ribeiro, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).