Assim como a Adial, Mabel demorou para defender os incentivos fiscais. Agora é tarde

As entidades representativas dos empresários se acorvadam e demoraram a sair em defesa dos incentivos fiscais diante dos ataques de Caiado à política de atração de investimentos para Goiás.
Foram omissas e deixaram a campanha antibenefícios crescer como bola de neve.
Em função dessa falta de reação, o ambiente ficou ruim e um dos resultados foi a criação de CPI para investigar os incentivos.
Sandro Mabel, presidente da Fieg, é um dos que se omitiram no início do debate e agora aparece para defender os empresários.
Tarde demais.  A Inês já é morta.